Ao menos 966 pessoas foram executadas no Irã no ano passado, um recorde nos últimos 20 anos, informou nesta segunda-feira (14) o relator especial da ONU sobre a situação dos direitos Humanos no Irã. "Ao menos 966 pessoas - o número mais elevado em mais de duas décadas - foram executadas em 2015", declarou Ahmad Shaheed ante o Conselho de Direitos Humanos em Genebra.

Além disso, "ao menos 73 delinquentes menores de idade também foram executados" entre 2005 e 2015, 16 deles nos últimos dois anos, acrescentou. E ao menos 160 aguardam atualmente no corredor da morte.

O relator especial da ONU expressou sua preocupação com 47 jornalistas e blogueiros ativistas detidos neste país em janeiro.

Segundo a Anistia Internacional, o Irã é o país do mundo que mais executa menores de idade. Em um relatório publicado em janeiro, o organismo acusou Teerã de torturar menores.

A Anistia também acusa o Irã de violar o direito internacional ao manter uma disposição penal que permite aos juízes atribuir responsabilidade plena a partir dos 9 anos às meninas e dos 15 aos meninos, expondo essas crianças à pena de morte.