Omar S. Mateen, o homem que invadiu uma boate gay em Orlando no final de semana e matou a tiros 49 pessoas, teria feito uma série de comentários no Facebook atacando "os modos imundos do Ocidente" e culpando os Estados Unidos pelas mortes de "mulheres e crianças inocentes", de acordo com uma investigação feita por uma comissão do Senado, divulgada esta quarta-feira.

Segundo o documento, ele teria comentado em seu perfil na rede social: "América e Rússia, parem de bombardear o (grupo extremista) Estado Islâmico".

A comissão do Senado enviou o documento ao Facebook, pedindo que a companhia produzisse informações sobre a atividade online de Mateen.

De acordo com uma pessoa próxima ao assunto, o atirador publicou comentários momentos antes de o ataque começar.

Leia mais: 
Militantes LGBT fazem vigília em Belo Horizonte pelas vítimas do tiroteio em Orlando
Sobrevivente de massacre em boate de Orlando diz que atirador era "cruel"
Investigações tentam apurar motivos por trás do tiroteio em boate gay em Orlando
Terrorismo volta aos EUA com massacre em boate gay de Orlando

"Os muçulmanos verdadeiros nunca irão aceitar os modos imundos do Ocidente", escreveu Mateen, de acordo com o documento produzido pela comissão chefiada pelo senador republicano Ron Johnson. Ele não explicou como obteve essas informações, mas disse apenas que o rapaz de 29 anos operava 5 contas diferentes no Facebook.

Apesar de Mateen ter jurado lealdade ao grupo extremista, o governo Obama diz não ter encontrado evidências de que o ataque à boate Pulse foi orquestrada pelo grupo extremista.

Fonte: Associated Press.