O Tribunal Constitucional da Colômbia decidiu, nessa quinta-feira (5), que casais do mesmo sexo podem adotar crianças nas mesmas circunstâncias que os heterossexuais. "A orientação sexual ou o gênero de uma pessoa não é indicativo de falta de idoneidade moral, física ou mental para adotar", disse Maria Victoria Calle Correa, presidente do Tribunal Constitucional colombiano, em entrevista após o anúncio da decisão.

Atualmente, a adoção por casais homossexuais na Colômbia só é permitida se um dos cônjuges for o pai ou a mãe da criança. Esse direito foi estabelecido recentemente, em fevereiro. A decisão do Tribunal Constitucional teve seis votos a favor e dois contra.

Município japonês começa a emitir certificados de união homossexual

O município de Shibuya, do distrito de Tóquio, começou hoje a despachar os primeiros certificados do Japão que reconhecem a união civil de casais do mesmo sexo, um importante precedente no país, que não prevê o casamento homossexual.

Hiroko Masuhara, de 37 anos, e Koyuki Higashi, de 30, foram o primeiro casal a obter o documento, com o qual posaram para emissoras de televisão. As mulheres pediram o certificado em 28 de outubro deste ano, dia em que o município começou a aceitar as solicitações de certificados.

"Espero que isso sirva para dar maior visibilidade aos casais do mesmo sexo”, afirmou Masuhara, segundo informações divulgadas pela agência de nóticias Kyodo. Para Higashi, trata-se "de um grande passo".

O certificado é assinado por Ken Hasebe, o político que impulsionou, de forma pioneira no Japão, o reconhecimento desses casais. Ele foi eleito presidente do município nas eleições de abril deste ano, informou a agência.