A presidente Dilma Rousseff prosseguiu, neste sábado (27), com sua visita ao Chile e se reuniu com a diretoria da companhia aérea Latam e a gigante papeleira CMPC, em uma agenda marcadamente comercial que visa a fortalecer a cooperação regional para paliar a crise econômica enfrentada por seu país.

A visita de Dilma, programada em um tempo recorde, chega num momento em que a chefe de Estado enfrenta novas turbulências pelos inúmeros casos de corrupção que mancham sua presidência, com um pedido de impeachment que ameaça a continuidade de seu poder.

Depois da reunião, o secretário-geral da CMPC, Gonzalo García Balmaceda, assinalou que a reunião discutiu o desenvolvimento de futuros investimentos e "as dificuldades que se apresentam para poder continuar investindo em nossa área", de produção de celulose, como são as limitações para a compra de terra vigente para empresas estrangeiras no Brasil.

García Balmaceda celebrou a boa disposição de Dilma e enfatizou que está feliz pela presença de sua empresa no  Brasil."Fomos muito bem acolhidos. Chegamos em 2009, estamos presentes em vários estados e obviamente nossa intenção é continuar investindo no Brasil".

A CMPC tem investidos no Brasil mais de cinco bilhões de dólares. Por sua parte, o ministro brasileiro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, assinalou que as reuniões de Dilma com um representante da Latam e com García Balmaceda buscam "manter a confiança dos maiores investidores chilenos no Brasil".

Terras

Sobre a limitação de compra de terras por parte de empresas estrangeiras, o funcionário destacou que é preciso buscar uma fórmula que avalie esses casos de investimento sem afetar a soberania do país.

Na sexta, depois de se reunir com sua colega chilena Michelle Bachelet a fim de aprofundar a cooperação regional, Dilma se encontrou com representantes de cerca de vinte empresas de capitais brasileiros com presença no Chile com o objetivo de escutar os problemas que enfrentam em um contexto regional adverso.

Depois da reunião, os empresários consideram o resultado positivo.

Dilma visita ainda a sede da Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (Cepal), onde se reunirá com economistas, na etapa final de sua visita ao Chile