No último domingo (15), o grupo Talibã cercou Cabul, capital do Afeganistão, no Oriente Médio, e assumiu o controle do palácio presidencial, retomando o poder após 20 anos. No mesmo dia, o então presidente, Ashraf Ghani, saiu do país, consolidando a transferência de poder. A tomada do palácio foi considerada pacífica pelo próprio grupo, por não ter ocorrido derramamento de sangue.

Mas, o que tudo isso significa? O Hoje em Dia resume pra você!

O Talibã

O Talibã, que significa "estudante" na língua pashtun (um dos idiomas usados no Afeganistão), surgiu em 1994, formado por ex-guerrilheros pashtuns (maior grupo étnico do país). Baseando-se na Lei Islâmica, o grupo extremista prometia restaurar a paz e segurança no país.

Seguindo uma interpretação própria do Alcorão, o livro sagrado dos muçulmanos, o grupo tomou o poder em 1996 e aplicou regras rígidas, principalmente às mulheres, que eram obrigadas a usar burca, não tinham direito à educação, viviam confinadas em casa e não poderiam ir às ruas sem a companhia de um homem.

11 de setembro

Em 2001, o Talibã teve participação direta no atentado de 11 de setembro contra o World Trade Center, nos Estados Unidos, quando as Torres Gêmeas foram derrubadas por aeronaves interceptadas pelos terroristas da Al-Qaeda, liderada por Osama Bin Laden. Na época, os talibãs foram acusados de protegê-lo e escondê-lo.

A consequência disso tudo foi a invasão do Afeganistão por tropas americanas, que lá permaneceram por quase 20 anos.

Durante esse tempo, o país foi palco de guerras, que culminaram na morte de milhares de pessoas (civis e militares) e custaram bilhões de dólares aos EUA.

Em 2011, Bin Laden foi capturado pelo governo americano e executado no Paquistão.

Retirada das tropas

Com a morte do líder da Al-Qaeda, durante o governo Barack Obama, alguns prazos foram estipulados para a saída dos militares americanos do Afeganistão.

Em fevereiro de 2020, Donald Trump (então presidente dos EUA) assinou um acordo que previa a retirada completa das tropas do território afegão em 14 meses.

No mesmo ano, após eleito, o atual presidente, Joe Biden, prometeu evacuar os militares restantes até o 20º aniversário do atentado às Torres Gêmeas. Essa ação iniciou-se em maio deste ano.

Com esse movimento, já era esperado pela comunidade internacional um avanço das forças talibãs para recuperar o poder. Eles começaram dominando todas as cidades grandes, até darem seu "cheque-mate" na capital.

Leia Mais:
Talibã declara 'anistia' e chama mulheres para participar do governo no Afeganistão