O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se ofereceu para mediar a crise diplomática do Catar ao hospedar os países envolvidos na tensão no Golfo para uma reunião na Casa Branca.

Trump conversou por telefone, nesta quarta-feira, com o emir do Catar, Tamin bin Hamad Al Thani. Segundo a Casa Branca, o presidente disse ao emir que todos os países da região precisam cooperar para evitar o financiamento do terrorismo e impedir a prorrogação da ideologia extremista.

O republicano também afirmou que a unidade entre os países do Conselho de Cooperação do Golfo e as fortes parcerias com os EUA são cruciais para derrotar o terrorismo. Até o momento, o Kuwait e a Turquia foram alguns dos únicos países que se ofereceram para mediar o conflito.

Mais cedo, o Parlamento da Turquia aprovou dois acordos de cooperação militar com o Catar em uma aparente demonstração de apoio ao país em sua disputa com a Arábia Saudita e outras nações árabes. Os legisladores turcos aprovaram que tropas do país possam ser deslocadas para o território catariano, assim como um treinamento das Forças Armadas do Catar possa ser realizado por militares turcos. A lei foi colocada na agenda do Parlamento um dia depois que o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, expressou apoio ao Catar na disputa e criticou os movimentos de outros países do Golfo para isolar Doha.

Fonte: Associated Press.

Leia mais:
Arábia Saudita, Egito, Bahrein e Emirados rompem relações diplomáticas com Catar