CARACAS - O governo venezuelano assegurou nesta quarta-feira (23) que a "extrema-direita" venezuelana e estrangeira planejam um atentado contra o vice-presidente, Nicolás Maduro, e o presidente do Legislativo, Diosdado Cabello, sem indicar mais detalhes sobre o suposto plano.

"Temos recebido informações muito sérias da inteligência, segundo as quais membros da extrema-direita venezuelana em cumplicidade com membros da extrema-direita no exterior estão planejando um atentado contra o vice-presidente da República e um atentado contra o presidente da Assembleia Nacional", afirmou o ministro do Interior, Néstor Reverol.

"Todos os órgãos da inteligência em nosso país estão atentos", explicou Reverol, acrescentando que o governo tomou "todas as medidas para reforçar a segurança" de Maduro e Cabello.

Reverol afirmou que não pode dar mais detalhes para não atrapalhar o andamento das investigações.

O ministro fez estas declarações durante uma marcha de chavistas em Caracas para comemorar o fim da ditadura no país há 55 anos, que aconteceu paralelamente a uma manifestação da oposição em um parque no leste da capital.

O governo venezuelano, que identifica setores da oposição com a extrema-direita e os acusa de serem financiados por grupos nos Estados Unidos, denunciou em várias ocasiões supostos planos contra o presidente Hugo Chávez, no poder desde 1999.

Chávez, hospitalizado em Cuba onde se recupera de uma cirurgia contra o câncer, sofreu em 2002 um breve golpe de Estado, antes de retomar o poder graças a militares leais e as clases populares que saíram às ruas para exigir seu retorno.