TÓQUIO - O imperador Akihito e a imperatriz Michiko do Japão não serão enterrados após a morte e sim cremados, por decisão do casal, para aliviar os gastos que pesam sobre a população, anunciou a Agência da Casa Imperial.

A cremação é atualmente a prática mais comum no país, mas a última incineração de um imperador aconteceu em 1617.

Akihito e Michiko, casados há 54 anos, terão um túmulo comum. Hirohito, pai do imperador, falecido em 1989, e seu avô, o imperador Taisho, que morreu em 1926, estão sepultados em um espaço diferente ao de suas esposas.