No primeiro dia útil fora da cadeia, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez contatos com lideranças políticas internacionais e tratou de detalhes de viagens que fará ainda nesta semana a Salvador e Recife. Ele recebeu visita do ex-chanceler Celso Amorim e do ex-ministro Aloísio Mercadante, na sede do Instituto Lula, em São Paulo.

Segundo Amorim, Lula telefonou para o presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández, e "manifestou preocupação com a Bolívia", sem mais detalhes. Ele recebeu ligação de Roberto Lagos, ex-presidente do Chile, e conversou também com Thabo Mbeki, da África do Sul. Amorim não descarta a possibilidade de que o ex-presidente faça viagens internacionais em breve. "Argentina é o normal, por todos os motivos", disse. "(Fernández) é uma pessoa de princípios, muitos valores, cristão."

O presidente eleito, que já foi alvo do presidente Jair Bolsonaro, já havia se manifestado em solidariedade a Lula nas redes sociais.

Amorim fez avaliação própria da crise boliviana e classificou a saída do presidente Evo Morales de "golpe". Disse que o agora ex-presidente vinha tomando decisões em favor de novas eleições, mas que a oposição não queria que ele participasse do processo.

Lula recebeu também ligação do pré-candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, o senador Bernie Sanders, e deve retornar o contato ainda nesta segunda.

A assessoria do ex-presidente confirmou que Lula participará da reunião da Executiva Nacional do PT que ocorre em Salvador na quinta-feira. Ele viaja à capital da Bahia na quarta. No domingo, estará no Recife e vai participar do "Festival Lula Livre", evento com shows de música.

Com os bens bloqueados, mas sem a necessidade de cumprir nenhuma medida cautelar, Lula não tem impedimentos legais para viajar. Todos os contatos foram feitos na sede do Instituto Lula, em São Paulo.