Modo de caminhar de Putin é herança de seu passado de espião, diz estudo

AFP
15/12/2015 às 12:25.
Atualizado em 17/11/2021 às 03:20
 (Mikhail Klimentyev/Ria-Novosti/Pool/AFP)

(Mikhail Klimentyev/Ria-Novosti/Pool/AFP)

A forma de caminhar de Vladimir Putin, com o braço esquerdo oscilante e o direito quase imóvel, é uma consequência do treinamento de espião da KGB, e não um princípio de Parkinson, afirma um estudo publicado nesta terça-feira (15) na revista British Medical Journal (BMJ).

Trata-se do "passo do pistoleiro", afirma a equipe de neurologistas de Portugal, Itália e Holanda, especializados nas perturbações de movimento, que estudou os casos de Putin, do primeiro-ministro Dmitri Medvedev e de outros três altos funcionários russos, que caminham todos de forma similar.

"Primeiro pensamos que foi a doença de Parkinson", já que a oscilação assimétrica dos braços é um dos primeiros sintomas, explicam os médicos que estudaram dezenas de vídeos dos dirigentes russos.

No entanto, esta hipótese foi rapidamente descartada devido à ausência de outros sinais, como o tremor das mãos ou uma escassa coordenação dos membros.

Pelo contrário, baseando-se nas imagens, os médicos destacam a destreza de Putin, faixa preta de judô. Portanto, decidiram estudar outras hipóteses sobre esta forma de andar, modelada pela formação na KGB, o serviço secreto soviético, ou por um treinamento militar intensivo.

Os médicos mencionam um "manual de treinamento da KGB", que instrui que os espiões devem caminhar com a mão direita colada ao peito para poder pegar a arma em uma fração de segundos.

"Encontramos outros exemplos de uma oscilação mínima de um braço vinculada ao manejo das armas: nos cowboys dos filmes do velho oeste", acrescenta o estudo.

Este estudo se soma ao debate sobre a forma de caminhar de Putin, explica Bastiaan Bloem, do centro universitário médico de Radboud na Holanda, que dirigiu a pesquisa.

"É um estudo incomum, mas passa uma mensagem muito séria" em matéria de observação neurológica, disse Bloem à AFP.

"Sua forma de caminhar anormal já havia sido apontada. Nós avançamos, de forma muito prudente, novas hipóteses", acrescentou.

Hipóteses anteriores sugeriam um sofrimento fetal, um ataque cerebral, uma paralisia causada por um parto com fórceps ou sequelas de uma poliomielite.
 

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por