As autoridades da Califórnia confirmaram na noite desta segunda-feira, 12, que mais 13 pessoas foram encontradas mortas no incêndio que atinge o norte do Estado há quatro dias. No total, 42 mortes já foram confirmadas. A cidade de Paradise, de 27 mil habitantes, foi totalmente destruída pelas chamas.

As vítimas fatais foram encontradas dentro de carros incinerados, em ruínas de casas ou próximas de seus veículos, aparentemente abatidas pela fumaça e pelas chamas antes que pudessem fugir. Em alguns casos, apenas fragmentos de ossos foram encontrados. Ainda há centenas de desaparecidos.

O incêndio que atinge o norte da Califórnia já é o mais letal da história do Estado. O recorde negativo anterior era de uma ocorrência em Los Angeles, em 1933, que deixou 29 mortos.

Um outro foco de incêndio de grandes proporções atinge simultaneamente as cercanias de Los Angeles, no sul do Estado. Duas pessoas já morreram na região, o que eleva a lista de mortos por incêndios na Califórnia para 44 nos últimos dias.

Na noite desta segunda-feira, o presidente Donald Trump declarou oficialmente que a Califórnia vive uma "grande catástrofe", o que abre espaço para ajuda federal às vítimas dos incêndios.


​Leia mais:
Seguem buscas por vítimas de incêndios na Califórnia; 31 mortos
Gerard Butler mostra casa destruída na Califórnia; incêndio matou 31 pessoas
Número de mortos em incêndio na Califórnia sobe para 25 e tem 110 desaparecidos