Não julgue! Este é o mote do novo desafio que invadiu as redes sociais norte-americanas. Em vídeos curtos, os participantes, denominados #youths, travestem-se em versões feias de si mesmos e, em seguida, reaparecem e revelam sua "verdadeira beleza".

A popularização do 'Don't Judge Challenge' abriu espaço para discussão dos padrões de beleza atuais. Na maioria das gravações, os adereços usados para a montagem do personagem são os mesmos. Na imagem do "pouco atraente" aparecem óculos, acne, dentes separados, sobrancelhas grossas e pelos faciais, como se estas características fossem sinônimo de feiura e estivessem excluídas do conceito estigmatizado do 'belo'.

Esses estereótipos expostos nos vídeos criaram polêmica acerca da efetividade da ação. De acordo com alguns dos primeiros adeptos, o desafio foi criado para combater o bullying e a vergonha do próprio corpo. Entretanto, outras pessoas acreditam que a ação acarreta justamente em efeitos contrários, sob o argumento de que é em si uma forma de praticar bullying, incentivá-lo e fazer mais vítimas.