O papa Francisco viajou na terça-feira, (25), à Estônia, considerado um dos países mais ateus do mundo, e admitiu que os jovens se distanciam da Igreja indignados pelos "escândalos econômicos e sexuais para os quais não veem uma firme condenação".

O comportamento de distanciamento ocorre também, ressaltou o pontífice, em países de maioria católica. Em uma igreja luterana na capital Tallin, o papa se encontrou com jovens cristão do país e falou sobre o que pensa a juventude da Igreja sobre o assunto - por frases publicadas em um documento preparatório para o sínodo que começa no dia 3 de outubro.

"Os jovens não nos pedem nada porque não nos consideram interlocutores significativos para a sua existência. Alguns nos pedem que os deixemos em paz", comentou.


Leia mais:
Papa reconhece indignação dos jovens com abusos sexuais na Igreja
Após escândalo, bispos divulgam apoio ao papa
Papa Francisco homenageia judeus exterminados da Lituânia