O primeiro-ministro da Turquia, Binali Yildrim, acusou nesta sexta-feira (15) os militares de tentarem um golpe de Estado depois que tropas bloquearam os acessos a Istambul e Ancara, as duas maiores cidades do país. Em entrevista ao canal NTV, o dirigente disse que houve um motim dentro das Forças Armadas e que orientou as forças de segurança a fazerem "o que for necessário" para manter a ordem no território turco.

"Alguém fez uma ação ilegal fora da cadeia de comando", disse, sem mencionar que tipo de ação foi realizada pelos militares. "O governo eleito continua no controle do país e só sairá quando o povo dizer que é hora de irmos." As declarações foram feitas minutos depois que tropas fecharam com soldados e tanques os acessos a Ancara e as pontes que ligam os lados asiático e europeu de Istambul. Caças sobrevoaram baixo bairros da capital.

Ambulâncias também foram vistas na porta do quartel-general do Exército em Ancara. Segundo a agência de notícias Reuters, militares afirmam que soldados foram deslocados para outras cidades, sem especificar quais.

Todo o tráfego aéreo em Istambul foi interrompido. Os voos para o aeroporto internacional Mustafa Kemal Atatürk foram cancelados -o terminal foi alvo de um atentado que deixou 45 mortos em 28 de junho.

A emissora de TV CNN Türk disse que o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, está em um local seguro que não foi divulgado pelos jornalistas.