NOVA DELHI - A situação de uma menina indiana de 18 meses com o crânio hipertrofiado, uma rara doença, mas que pode ser tratada, provocou uma onda de solidariedade e a promessa de um exame médico, depois que seus pais pediram por "um milagre" .

Um prestigioso hospital em Nova Delhi se ofereceu nesta segunda-feira (15) para examinar Roona Begum, que sofre de hidrocefalia, uma grave anomalia neurológica que é definida pelo aumento do volume do espaço contendo fluido cerebrospinal, o que provoca pressão sobre o cérebro.

A menina vive no pobre estado de Tripura (nordeste) com seus pais, que são demasiado pobres para internar e tentar uma operação. Sua cabeça, que tem uma circunferência de 91 cm, é duas vezes maior do que o normal, o que a impede de ficar de pé ou engatinhar.

A divulgação das fotos na última sexta-feira (12) emocionou leitores no exterior que criaram um site baseado na Noruega para lançar uma campanha de angariação de fundos.

Este site já arrecadou 8.800 dólares em três dias.

Um famoso neurocirurgião indiano, Sandeep Vaishya, que dirige o Departamento de Neurocirurgia de um hospital privado do grupo Fortis Healthcare, perto de Nova Delhi, prometeu examinar Roona para ver se você pode operá-la.

"A Fortis irá se responsabilizar pelo transporte e vamos fazer uma tomografia para verificar o estado do seu cérebro. Espero que possamos operar e aliviar a pressão sobre o cérebro", disse à AFP o especialista.

O pai de Roona, Abdul Rahman, de 18 anos, que vive em uma cabana de barro na aldeia de Khola Jirania, declarou à AFP que estava "muito grato pela generosidade de todos" depois de afirmar que só "um milagre" poderia salvá-la.

O site para doações pode ser acessado aqui.