A Ford chocou a humanidade com o Mustang Mach-E, o SUV elétrico que leva as linhas de seu icônico muscle car. E como se o utilitário já não fosse exótico o bastante, a marca do oval azul resolveu apresentar um conceito de corridas para ele, que tem nada menos que 1.400 cv.

O conceito foi batizado de Mustang Mach-E 1400, em alusão ao elétrico Cobrajet 1400 do cupê (desenvolvido para competições de arrancada). No entanto, a proposta desse Mach-E é para além do dragster. Ele pode ser utilizado em corridas e provas acrobáticas, como as gincanas de Ken Block. 

Outra diferença está no motor. O cupê elétrico utiliza um monstro elétrico debaixo do capô. Já o SUV é equipado com nada menos que sete motores elétricos distribuídos para oferecer o máximo de performance de acordo com o tipo de prova. 

Vale tudo

Assim, ele utiliza três unidades acopladas ao diferencial dianteiro e quatro são montadas na traseira, que a Ford chama de “estilo panqueca”. Em tese há um único eixo de transmissão conectando-os aos diferenciais. Isso permite grande variedade de ajustes para configurar a modalidade que ele irá disputar, desde drifting até corridas de pista de alta velocidade .

O carro foi desenvolvido junto com a preparadora RTR, especializada em modelos Ford. Segundo a marca, foram necessárias 10 mil horas para chegar ao modelo final, que foi construído sem limitações de regras.

Muitos componentes foram retirados dos carros de competição à combustão, mas otimizados para um carro que não depende da mistura ar-combustível. Um exemplo são as tomadas de ar que foram ajustadas para melhorar a aerodinâmica do Mac-E 1400.

Para fazer esse pônei radioativo sair do lugar, a Ford instalou um conjunto de baterias de 56,8 kWh composta por células de níquel manganês e cobalto, que segundo a marca garante alto desempenho e alta taxa de descarga. O sistema da bateria foi projetado para ser resfriado durante o carregamento usando um líquido de refrigeração di-elétrico, diminuindo o tempo necessário entre as execuções.