O diretor de inteligência nacional do governo norte-americano, James Clapper, disse nesta segunda-feira (2) que não há "evidências diretas" de que o avião russo que caiu no Egito tenha sido derrubado pelo Estado Islâmico. por outro lado, ele disse que essa possibilidade não pode ser descartada. "É improvável, mas eu não descartaria".

Clapper observou ainda que o Estado Islâmico tem uma presença significativa no Egito, mais fortemente na península de Sinai. O avião era da companhia russa Metrojet e caiu no sábado, resultando na morte de 224 pessoas. A empresa afirmou que apenas um impacto externo pode ter causado o desastre, porém a Agência Federal de Aviação da Rússia declarou que é cedo para tirar conclusões.

O especialista britânico Paul Beaver disse que o mais provável é que uma bomba a bordo tenha explodido, uma vez que, para o ataque ter sido externo, o Estado Islâmico teria de possuir um sistema de mísseis capazes de atacar passageiros em altitude de cruzeiro (cerca de 11 mil metros). "Estou muito convencido de que o Estado Islâmico não tem essa sofisticação", afirmou. Fonte: Associated Press.