A polícia da Áustria afirmou nesta sexta-feira, 28, que o número de corpos de imigrantes encontrados em um caminhão abandonado no acostamento da principal rodovia do país subiu para 71 e que três pessoas suspeitas de estarem ligadas com o caso e de fazerem parte de uma operação de tráfico humano foram presas durante à noite na Hungria.

Inicialmente, as autoridades tinham estimado o total entre 20 a 50 corpos, mas o número subiu depois que as autoridades rebocaram o caminhão para um armazém refrigerado e contaram os corpos, que estavam parcialmente em decomposição.

As autoridades ainda estão investigando, mas acredita-se que os imigrantes tenham morrido sufocados no caminhão. Os investigadores encontraram um documento sírio, indicando que pelo menos alguns dos mortos eram refugiados que fugiam da violência na Síria, embora não se sabe se alguns eram de outros lugares.

Entre os 71 corpos, estavam os de oito mulheres e de quatro crianças. A mais jovem era uma menina entre 1 e 2 anos de idade e os outros meninos com idade entre 8 e 10 anos.

O caminhão com os 71 imigrantes foi encontrado abandonado no acostamento pelos policiais rodoviários na quinta-feira, na rodovia que liga Budapeste, na Hungria, a Viena, na Áustria.

Ainda não se sabe quanto tempo os corpos já estavam no caminhão, mas a polícia acredita que os imigrantes já estavam mortos quando o caminhão cruzou a fronteira para a Áustria durante a noite de quarta-feira. As autópsias estavam sendo conduzidas, disse o promotor estadual Johann Fuchs e os resultados devem sair nos próximos dias.

Dois dos suspeitos detidos são cidadãos búlgaros, enquanto o terceiro tem documentos de identidade húngaros, segundo a polícia. Um deles é o proprietário do caminhão, um búlgaro de
descendência libanesa, enquanto os outros dois aparentemente se revezaram no volante na condução do caminhão, disse Hans Peter Doskozil, chefe de polícia na província de Burgenland, onde o caminhão foi encontrado. Ele disse que a polícia acredita que os suspeitos eram parte de uma rede maior de contrabando de pessoas.

A polícia na Hungria disse que do início do ano até a última terça-feira, 776 suspeitos de traficar seres humanos foram detidos, em comparação com 593 de 2014.