O vereador de Belo Horizonte Gabriel Azevedo (Patriota), posicionou-se, neste domingo (17), Dia Internacional da Luta Contra a Homofobia, sobre sua orientação sexual e sobre a importância da discussão desse tema. Em texto publicado no perfil dele no Twitter, Azevedo, que cumpre mandato até o fim deste ano na Câmara de BH, afirmou que decidiu abrir-se sobre o assunto após constatar que "ainda há gente que se preocupa com a orientação sexual alheia".

Leia o texto na íntegra:

17 de maio é o dia internacional contra a bifobia, homofobia e transfobia. O ano é 2020, mas ainda há gente que se preocupa com a orientação sexual alheia. Permitam-me a sinceridade costumeira para explicar por qual razão esse tipo de posicionamento é importante.

Eu próprio imaginava que a sexualidade era algo íntimo e que dizia respeito apenas a cada um de nós. Sigo acreditando nisso. Sempre que tive uma namorada, postei uma foto de momentos com elas. E quanto tive um namorado, postei fotos de momentos com ele.

As fotos com elas não circularam tanto em Grupos de WhatsApp quanto as fotos com ele. E por qual razão? Oras, por haver ainda muita gente que se impressiona com algo perfeitamente simples: a natureza humana. Somos diversos.

Assim, notei o quanto minha sexualidade poderia gerar uma sensação de curiosidade. Ao mesmo tempo, recebo inúmeras mensagens de pessoas, homens e mulheres, que me dizem que, ao ver minha postura, decidiram contar para aqueles que amam que também são bissexuais.

Quando uma mulher conta para um homem que é bissexual, até pela quantidade robusta de material pornográfico que consumimos com duas mulheres (sejam sinceros), a sensação é de loteria premiada. A sociedade compreende muito mais sob o ponto de vista masculino, inclusive.

Por outro lado, quando um homem se compreende bissexual, não é exatamente a mesma percepção. Por qual razão? Por construções sociais que fazemos. Claro, a visão sobre as mulheres também não é algo que sempre existiu, mas foi compreendida com o tempo. Estimulada.

Portanto, homens bissexuais, aproveito essa data para lhes convidar a não ligar para o que os outros dizem. A vida é mesmo uma só. E quem vive para os outros não vive para si. Se vocês possuem um relacionamento com outra mulher, encorajo-lhes a contar isso para elas.

O amor precisa de transparência. Compreendo o desejo, até mesmo o fetiche, de viver com a sexualidade em segredo. Há quem não sinta nada negativo quanto a isso. Contudo, há muita gente que sofre por levar uma vida assim. Viva a vida. Você merece.