O número de imigrantes e refugiados que chegaram à Grécia pelo Mar Mediterrâneo desde o início do ano já alcançou os 160 mil, depois de um aumento significativo nas últimas semanas.

É o que divulgou nesta terça-feira (18) a Agência das Nações Unidas para Refugiados (Acnur). Cerca de 50 mil migrantes chegaram (por essa rota) no mês passado, mais do que em 2014, quando somaram 43.500 pessoas. Por terra, por meio da fronteira com a Turquia, 1.716 migrantes entraram na Grécia entre 1º de janeiro e 31 de julho.

Só na semana passada, 20.843 pessoas chegaram pelo mar à Grécia, o que equivale à metade do número total do ano passado. Os sírios foram quase 17 mil, seguidos pelos afegãos (2.847 ou 14%) e iraquianos (582 ou 3%).

Essas três nacionalidades, de países que enfrentam por muitos anos conflitos armados, mostram que a grande maioria de recém-chegados deve ser considerada refugiada.

Os migrantes que chegam à Itália, também pelo Mar Mediterrâneo, são, em sua maioria, provenientes da África Subsaariana.

A Organização das Nações Unidas advertiu, há meses, sobre a situação explosiva da migração para a Grécia e o constante aumento do número de chegadas ao país.

Entretanto, as atenções mantiveram-se concentradas na Itália, devido aos frequentes naufrágios e ao grande número de mortes de migrantes que tentavam cruzar o Mediterrâneo a partir da Líbia.