A Justiça Federal em Curitiba determinou o bloqueio dos bens das empreiteiras Odebrecht e OAS, empresas investigadas na Operação "Lava Jato". De acordo com a decisão, as construtoras deverão depositar mensalmente em juízo a quantia de 3% do faturamento, valor referente ao percentual de propina que teria sido cobrada em contratos da Petrobras O pedido de bloqueio foi solicitado pela Advocacia-Geral da União (AGU) para garantir o ressarcimento dos cofres públicos após decisão do Tribunal de Contas da União (TCU), que apontou superfaturamento de R$ 2,1 bilhões nas obras da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. O bloqueio também atinge o empreiteiro Léo Pinheiro, da OAS, e o ex-diretor da Petrobras Renato Duque. No caso dos acusados, veículos, obras de arte e outros bens móveis ficarão indisponíveis.

Leia mais:
 

TCU comunica a Moro bloqueio de bens de Gabrielli, Odebrecht e OAS
Odebrecht é sócia da OAS em contratos de R$ 70 milhões em propinas
Juiz marca interrogatório de Lula e Delcídio em Brasília
Defesa de Cunha faz 41 perguntas a Temer, arrolado como testemunha na 'Lava Jato'
Relator elogia ação do governo contra anistia, mas pede atenção para alteraçõe
Lava Jato não vai mudar o Brasil', diz Dallagnol em evento no Rio