Um padre de 35 anos foi baleado na perna durante um arrastão ocorrido dentro de um vagão do Metrô de São Paulo na tarde desta quarta-feira (3), na Estação Parada Inglesa, da Linha 1-Azul, na zona norte da capital paulista. Os disparos teriam sido feitos por um adolescente, que praticava o assalto com ajuda de outro menor de 18 anos. Ambos foram detidos pela Polícia Militar.

Wilson Pereira dos Santos foi alvejado quando a dupla preparava-se para descer do vagão. "Os dois entraram no metrô na Estação Jardim São Paulo (uma antes da Parada Inglesa) e percorreram o vagão de uma ponta à outra, olhando para todo mundo. E você sabe como é o metrô: todo mudo olhando para o celular. No meio do caminho, eles anunciaram o assalto e foram tomando os celulares", relembra o padre.

"Ninguém reagiu, ninguém entrou em pânico, estava todo mundo muito calmo. Só na hora em que eles foram descer, foram pegar o celular de uma senhora que estava do meu lado e ela não quis entregar. Eles acabaram tomando o celular dela", continua.

"Não sei se eles atiraram para acertar ela, se atiraram para assustar. Mas o tiro me acertou", conclui o sacerdote. A bala entrou e saiu de uma das pernas do padre, sem atingir ossos nem artérias. Ele foi socorrido primeiramente por seguranças do metrô e, depois, por agentes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que o levaram até o Hospital São Camilo, também na zona norte. Lá, deu entrada por volta das 15h e permaneceu até as 23h, quando teve alta médica, depois de ter a perna suturada.

Durante a manhã, padre Wilson havia deixado seu carro na Cúria Regional de Santana e seguido, de metrô, até o centro da cidade, onde tinha assuntos a resolver. Viajava de volta a Santana quando o crime ocorreu. Sua paróquia é a de Nossa Senhora Aparecida e São Matias, em Lauzane Paulista, também na zona norte da capital.

Os adolescentes foram perseguidos depois de deixarem a estação por policiais militares que tinham informações da dupla repassadas pelos seguranças do Metrô. Eles foram encontrados na Avenida Ataliba Leonel, onde foram detidos. A PM os encaminhou até o 39º Distrito Policial (Vila Gustavo). A Secretaria de Estado da Segurança Pública não havia prestado informações sobre o caso até as 13h15 desta quinta-feira, 4.