MOGI GUAÇU (SP) – Evoluir é preciso. Pelo menos é o que natureza vem nos mostrando nos últimos três bilhões de anos, mesmo que muitas vezes acreditamos que o correto é andar para trás. Metáforas à parte, fato é que a Mitsubishi volta a vender no mercado brasileiro o utilitário-esportivo (SUV) Pajero Sport, que chega à quarta geração. E assim como dita a Mãe Natureza, o carro teve que evoluir. Conseguiu. E muito.

O Pajero Sport se diferencia da poderosa Full (versão soberana do jipão) por ser montada sobre o chassi da L200 Triton, enquanto a grandalhona tem uma estrutura própria.

Por outro lado, a versão Sport têm conjunto mecânico mais eficiente e moderno. O utilitário é equipado com unidade turbodiesel 2.4 de 190 cv e 43,9 mkgf de torque. Trata-se do mesmo motor da L200, mas com uma transmissão automática de oito marchas, que torna o SUV bem mais eficiente que a picape, que utiliza caixa de cinco marchas. Resultado é o preço de R$ 265.990. A Sport é mais cara que a Full.

Suspensão
O conjunto motor e câmbio evoluiu e a suspensão também, principalmente na traseira. Na frente, braços sobrepostos; na traseira, segue com eixo rígido, mas com molas helicoidais no lugar do feixe de molas, o que torna a vida a bordo muito mais confortável. 

Mesmo assim, sacoleja, principalmente no fora de estrada. É o preço que se paga para ter nas mãos um jipão bruto, que dá conta de encarar terrenos muito acidentados como se estivesse andando em campo gramado, como o das fotos.

4x4 
O Pajero Sport utiliza sistema 4x4 robusto, com seletor eletrônico de tração nas opções 4x2, 4x4, 4x4 com bloqueio de diferencial e reduzida. O jipão recebeu auxílio de descida em rampa, controlado pelo ABS, e basicamente faz o mesmo trabalho da caixa reduzida, mas mais controle. Ele ainda tem seletor de terreno, que distribui o torque de acordo com a aderência do piso – lama, gelo, areia e cascalho. O resto é com a “peça” entre volante e banco.

Na lama
Na apresentação rodamos cerca de 300 quilômetros, com trechos urbanos, rodoviários e muita trilha. E fato é que o lugar desse carro é fora do asfalto. A suspensão aguenta o tranco, assim como o sistema de tração permite trocas em movimento, apesar de sempre ser prudente parar o carro para acionar a reduzida ou bloquear o diferencial central. Fora da lama, só se deve usar o carro com tração 4x2 para evitar danos ao diferencial.

Seu motor turbodiesel entrega todo o torque na casa dos 2 mil rpm. Na trilha, ele sobra. Sobe qualquer ladeira com facilidade, mesmo que você tenha certeza de que ele possa vacilar. Mas não fraqueja.

Na estrada, a sensação é diferente, mesmo com as oito marchas, que oferecem bom escalonamento e função overdrive nas sétima e oitava, acima dos 110 km/h, a sensação é de o carro estar travado. Além disso, não convém abusar de um paquiderme de mais de duas toneladas. 

Ponto crítico do Pajero Sport é o design. A parte frontal segue o padrão visual da marca, mas a traseira, sem para-choque saliente parece que bateram na sua traseira. Mas a forma pouco estranha se faz necessária para elevar seu ângulo de saída (24,2°),, tão bom quanto o de ataque (30 °). Mas para as lanternas que parecem estar escorrendo pela traseira, não há desculpa técnica. São feias mesmo.

Conteúdos
Por ser mais caro que o Pajero Full, o Sport precisa se justificar com uma lista farta de conteúdos, que conta com Controle de cruzeiro adaptativo (ACC), frenagem automática, sensor de ponto cego, câmera de ré, sensor de estacionamento, 11 airbags (incluindo bolsas laterais para a terceira fileira), ar-condicionado de duas zonas, com repetidores no teto, direção hidráulica, bancos em couro, com ajuste elétrico para o motorista, multimídia de 7 polegadas com (Apple CarPlay, Android Auto e Navegador GPS). 

Dá até dó de botar esse bichão no asfalto!