Com a promessa de reduzir em até 22% os custos de energia para empresas de Minas Gerais, a Cemig firmou ontem uma parceria com a Mori Engenharia e membros da Associação Comercial e Empresarial de Minas Gerais (ACMinas) para adesão do modelo “geração compartilhada de energia”. A proposta permite descontos aos empresários, em troca de geração de energia distribuída pela estatal mineira.

A modalidade é voltada para empresas de pequeno e médio porte, como padarias, restaurantes e outros comércios do tipo, que podem contribuir com uma cota de geração de energia solar a ser injetada no fio da Cemig mensalmente. Na prática, os empresários podem “alugar” uma cota de geração de energia da Mori Engenharia, sócia da Cemig, que vai instalar até o fim do ano 30 usinas fotovoltaicas em 17 cidades do Estado.

“O empresário vai gerar a própria energia e irá receber o boleto com o desconto por ter realizado essa geração”, explica Ivo Pitanguy, diretor de novos negócios da Mori Engenharia.

Em troca, a estatal mineira afirma ser capaz de conceder descontos entre 13% e 22% na conta de luz das empresas. O modelo é usado atualmente por comerciantes do Mercado Central e por empresas credenciadas junto à Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg).

Para participar, as empresas precisam consumir pelo menos 500 kWh por mês, segundo a Cemig. Em um levantamento inicial, a ACMinas tem pelo menos 200 empresas pré-inscritas, interessadas na proposta de geração compartilhada de energia. 

Um dos principais atrativos é que o projeto não envolve custo para os empresários, sem necessidade de investimentos estruturais, como instalações novas ou obras porque a energia continuará chegando pela rede da Cemig.

“Estamos trazendo aos nossos associados uma importante redução de custo de operação e produção, que os deixará mais eficientes e competitivos. Além do aspecto econômico, como, por exemplo, de geração de emprego e renda”, diz Aguinaldo Diniz Filho, presidente da ACMinas.

A expectativa do presidente da Cemig Geração e Distribuição, Danilo Gusmão Araújo, é que o projeto possa ser abraçado por outras empresas, com novas parcerias no futuro. 

“Com a ACMinas conseguimos desenhar um produto que será referência aos demais que se sucederem. Estamos trazendo aqui um produto diferenciado, que terá uma resposta rápida e efetiva às pessoas que aderirem”, disse Araújo.