O governador de Minas, Romeu Zema (Novo), disse que não tem como precisar uma data para o pagamento do 13º salário dos funcionários públicos. A declaração foi dada nesta quarta-feira (20) durante a abertura da Semana Internacional do Café (SIC), no Expominas, em Belo Horizonte.

No evento, Zema teria se irritado com o questionamento da imprensa no dia em que o projeto de lei que antecipa os créditos da exploração do nióbio pela Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig) foi aprovado em primeiro turno, por unanimidade, na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

“Vocês vão ter que perguntar para os bancos que estão participando, que eles vão dar detalhes. Ninguém que chega lá pra financiar um caminhão tem previsão da data. Aproximadamente quatro semanas, mas sempre pode haver percalços da data sobre aquilo que você não tem 100% de gestão. Se fosse sobre algo que eu iria escrever, eu falava aqui, mas sobre algo que depende de burocracia, tem empresas que a matriz está fora do país, fica difícil de eu falar data. Pra mim, quanto antes menor, meu sonho é que essa operação seja concluída o quanto antes”, disse o governador.

A aprovação do PL, de autoria do governador, é tida pelo governo como solução para o pagamento do 13º salário do funcionalismo estadual. “Eu continuo otimista, mas vale lembrar que a operação é financeira. Ninguém vai ao banco de manhã e sai com o recurso à tarde, mas estamos fazendo tudo que está ao nosso alcance para que esse recurso seja liberado ainda este ano e que o funcionalismo público pela primeira vez em muitos anos volte a receber o 13º dentro do exercício”, concluiu. 

Em nota, o governo de Minas informou que a expectativa é viabilizar a operação financeira em cerca de quatros semanas úteis.