A polêmica unidade especial do Departamento de Polícia de Nova York criada para acompanhar o cotidiano dos muçulmanos, em um esforço para detectar ameaças terroristas, foi dissolvida nesta terça-feira.

O porta-voz do órgão, Stephen Davis, confirmou que os detetives designados para a unidade haviam sido transferidos para outras funções dentro de Divisão de Inteligência do departamento.

Em um comunicado, o prefeito Bill de Blasio, do Partido Democrata, classificou o movimento como "um passo importante para aliviar as tensões entre a polícia e a comunidade, para que os nossos policiais e cidadãos possam ajudar uns aos outros no combate à criminalidade".

A Unidade de Demografia foi criada para gerar uma série de dados de onde viviam os muçulmanos, os lugares que frequentavam e trabalhavam, e onde faziam seus cultos. Policiais à paisana se infiltraram em grupos de estudantes islâmicos, colocaram informantes em mesquitas, monitoraram sermões e catalogaram muçulmanos de Nova York que adotaram sobrenomes americanizados.

As atividades da polêmica unidade foram denunciadas pela imprensa nos últimos meses. Em Washington, 34 membros do Congresso exigiram uma investigação federal sobre as ações do Departamento de Polícia de NY. O procurador-geral Eric Holder disse que estava perturbado diante dos relatórios sobre as operações e o Departamento de Justiça informou que analisava as queixas que os muçulmanos fizeram. Fonte: Associated Press.