A Polícia Civl abriu um "expediente investigativo" para apurar uma ameaça de morte feita ao governador Romeu Zema (Novo) por um tenente-coronel da reserva da Polícia Militar, na última sexta-feira (23).

Em áudio, que circulou na web, Domingos Sávio Mendonça declarou: "Tem que me matar, porque, se não me matar, eu mato o Romeu Zema. Eu mato o Romeu Zema porque há injustiça aí. (...) Porque eu estou lutando pelos operários da segurança pública".

Após a repercussão do caso, o tenente-coronel usou as redes sociais para se retratar e dizer que não iria tirar a vida do chefe do executivo estadual de Minas Gerais. "Você vai matar o governador? Não, não vou não. Não vou, porque é isso que vocês querem. Vocês querer me ver tirando 30 anos de cana", assegurou.

Ouça um dos áudios gravados pelo tenente-coronel:

Investigação

O governo de Minas garantiu que está tomando todas as medidas judiciais cabíveis. "O Governo repudia qualquer tipo de violência. Justamente por se pautar por esses princípios, buscará o rigor máximo da lei para combater posicionamentos como o mencionado. Acreditamos que o ato em questão, repudiável, tenha caráter isolado", declarou, por meio de nota.

Já a Polícia Civil explicou que, por questão de estratégia, para não atrapalhar as investigações, não irá divulgar mais informações sobre a ocorrência. "Inclusive da autoridade policial responsável pelo caso". A PM, por sua vez, explicou que irá apurar a questão disciplinar e, se for constatada alguma transgressão, irá punir o militar reformado.

Em vídeo publicado no Facebook, o tenente-coronel Domingos Sávio Mendonça reconheceu que vai responder criminalmente pela ameaça feita ao governador. "Mas vou seguir em frente. Assumi o que que falei. Estou me retratando apenas da intenção de matar o governador Romeu Zema", finalizou.

Assista ao vídeo: