A Polícia Civil de Minas ouviu mais mais cinco testemunhas no caso Backer nesta segunda-feira (21), na 4ª Delegacia do Barreiro, no Estoril, região Oeste da capital. Os depoimentos foram de familiares das vítimas, algumas hospitalizadas e uma falecida, intoxicadas por dietilenoglicol.

Ao todo, 10 pessoas já foram ouvidas dentro do inquérito que busca entender os acontecimentos que antecederam à intoxicação. Quatro prestaram depoimento nessa segunda (20), cinco nesta terça e uma que foi ouvida em Viçosa, logo no início da instauração do inquérito. 

De acordo com a Polícia Civil, as amostras recolhidas na semana passada e, também, nesta terça, tanto da cervejaria, quanto da empresa química que vendia o monoetilenoglicol, continuam sendo analisadas pelas equipes de peritos do Instituto de Criminalística. Ainda não há previsão para a conclusão dos laudos.

Sobre a possibilidade de novas vítimas, ainda segundo a Polícia Civil, o cidadão que tenha consumido o produto e se sinta prejudicado pode registrar um boletim de ocorrência, com o maior nível de detalhamento possível, em qualquer unidade policial. "Esse registro será apurado durante o trabalho investigativo, bem como verificada a viabilidade de inclusão de eventual vitima no inquérito policial".

Estão previstos novos depoimentos, para esta semana, de mais familiares de vítimas. O conteúdo de todos os depoimentos, porém, é mantido sob sigilo.
 

Leia mais:
Mapa contesta laudo independente da Backer e reafirma que água de cervejas estava contaminada
'Água para fabricação de cervejas não estava contaminada', contesta estudo contratado pela Backer
Caso Backer: polícia quer exumar corpo de idosa que morreu em Pompéu por suposta intoxicação