A expectativa da base aliada em Minas da presidente reeleita, Dilma Rousseff (PT), e do governador eleito Fernando Pimentel (PT) é de que pelo menos dois petistas assumam ministérios e que o PMDB fique com pelo menos mais uma além das atuais cinco Pastas sob o comando do partido. 

Nos quadros do PT, corre a informação de que se Minas Gerais estiver à frente dos ministérios do Desenvolvimento Agrário (MDA), do Social e Combate a Fome (MDS) e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), antes ocupado por Pimentel, o governo estará bem contemplado.

Dois nomes seriam “interessantes” para coordenar o MDS e o MDIC: o do eleito deputado federal Patrus Ananias (PT), e do filho do ex-vice-presidente José Alencar, Josué Alencar (PMDB). “Vejo o Patrus o melhor político para representar essa Pasta e o Josué sem dúvida é um bom nome para assumir o MDIC, posto que já foi de Fernando Pimentel e hoje ocupado por Mauro Borges”, afirma o deputado estadual Rogério Correia (PT).

“Minas possui uma agricultura familiar muito forte e representativa. Seria interessante se o MDA ficasse sob responsabilidade de algum mineiro”, acrescenta o petista.

Outra mudança esperada no segundo governo de Dilma, de acordo com outro deputado que pediu anonimato, é a mudança do atual ministro do MDA, Miguel Rossetto (PT), para o lugar de Gilberto Carvalho, secretário-geral de Governo. Ministro nos últimos 12 anos de PT no governo, Gilberto chegou a confirmar, na última segunda-feira, que deixará o cargo. Ele é cotado para ocupar um posto de segundo escalão da área social.

O presidente do PT em Minas, deputado federal Odair Cunha, evita falar em nomes e números, mas espera que prevaleça o entendimento da “importância de Minas” especialmente durante as eleições. “Não sei quanto a Josué Alencar. A opinião de Pimentel tem peso e Minas espera que os partidos da aliança sejam contemplados no governo federal”.

O PMDB, partido do vice-presidente Michel Temer e do vice-governador de Minas, Antonio Andrade, vai pleitear pelo menos mais um ministério, possivelmente o de Minas e Energia, segundo Aloísio Vasconcelos (PMDB), ex-presidente da Eletrobras. O atual ministro, Edison Lobão , está de saída.

Para o deputado estadual Sávio Souza Cruz (PMDB), líder da minoria na Assembleia Legislativa, a sigla tem grande responsabilidade na governabilidade no governos estadual e federal e vai ter “participação coerente com seu tamanho e com a qualidade técnica de seus quadros”.

Odair Cunha rebate tucano e diz que mineiros fizeram ‘opção livre’

O presidente do PT mineiro, deputado federal Odair Cunha, rebateu nessa terça-feira (28) a declaração do secretário de Governo, Danilo de Castro (PSDB), de que “Minas falhou com seu maior líder, Aécio”, ao eleger Dilma Rousseff (PT) no Estado. Para o petista, os mineiros fizeram uma opção “livre, democrática e consciente” nas urnas e os tucanos “é que falharam com Minas”.

“A população identificou que o conjunto de propagandas que os tucanos divulgaram não foi entregue. Havia mais propaganda do que resultado na saúde, segurança e educação, por exemplo”, disse. “Eles (PSDB) fizeram menos do que o que poderiam ter feito. Os tucanos aqui no Estado não deram conta do recado das urnas. Os mineiros fizeram uma opção livre e o retrato disso é a vitória de Dilma Rousseff em Minas”, acrescentou.

Em entrevista ao Hoje em Dia na terça-feira (21), Danilo de Castro comentou que foi surpreendido pelo resultado das eleições já que, para ele, Aécio “fez um governo maravilhoso, que mudou a história de Minas e fez obras em todos os setores”.

Segundo o deputado estadual Sávio Souza Cruz (PMDB), líder da oposição na Assembleia Legislativa, o governo de Fernando Pimentel (PT) “terá plano de governo, e não, um plano de marketing eleitoral”. “O presidente do PSDB pode explicar por quê em Juiz de Fora, terra dele, Dilma teve o dobro de votos que Aécio”, completou.

O presidente estadual do PSDB, deputado federal Marcus Pestana, reconheceu, conforme publicado pelo Hoje em Dia, que o partido “certamente cometeu erros e permitiu que o PT desconstruísse a imagem de Aécio em Minas”. “A derrota foi em Minas. Os mineiros não quiseram ter um presidente mineiro”, disse.

Jaques Wagner cotado para ministério

Foi ventilado o nome do governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), como alternativa para o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - cotado também para Josué Alencar - além da pasta de Integração Nacional, de Relações Institucionais e até a Casa Civil. Aloizio Mercadante (PT), da Casa Civil, poderá ser deslocado para a Pasta da Fazenda.

Ele e Ricardo Berzoini (Relações Institucionais) têm espaço garantido na próxima gestão, mas ainda com destino incerto. Presidente do PSD, Gilberto Kassab é apontado como parceiro do governo e deve ter vaga na Esplanada. Cid Gomes (Pros), governador do Ceará, é cotado para ministro da Educação.