O presidente da comissão especial que analisa a MP 571, que trata das modificações no novo Código Florestal, deputado Bohn Gass (PT-RS), adiou para quinta-feira (12) a análise do relatório apresentado nesta quarta-feira (11) pelo senador Luiz Henrique.

A intenção de Bohn Gass é votar o texto principal na quinta-feira e deixar os destaques para agosto. Entretanto, parlamentares ruralistas, como os deputados federais Abelardo Lupion (DEM-PR) e Valdir Collato (PMDB-SC), já anunciaram que irão obstruir a sessão e para isso têm o apoio da bancada ambientalista, que está insatisfeita com o fato de o relator não ter acatado suas emendas.

O presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, deputado federal Homero Pereira (PR-MT), não afasta a possibilidade de acordo com o governo em relação a temas como a exigência de recomposição das matas ciliares, mas pede tempo para que o parecer de Luiz Henrique seja analisado com calma, em conjunto com as entidades do setor agropecuário.

Em virtude das obstruções, o parecer do senador Luiz Henrique só deve ser analisado em agosto, na volta do recesso parlamentar. Bohn Gass pretendia votar texto na comissão nesta semana, para que o assunto fosse aprovado até setembro pela Câmara e pelo Senado. O MP tem validade até 8 de outubro.