O senador e candidato a governador pelo PRB, Marcelo Crivella, chegou às 9 horas no Clube Marimbas, em Copacabana, na zona sul do Rio, onde votou acompanhado da esposa, Sylvia, dos dois filhos e da nora. A imprensa não pôde acompanhar o voto do candidato e foi barrada na entrada do local. Sem apresentar nenhum documento, duas representantes da zona eleitoral disseram se tratar de decisão do juiz Sandro Pitan Espíndola, da 252ª zona eleitoral. O Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) ainda não informou a justificativa que consta no despacho do juiz e que embasou a decisão. No primeiro turno, a entrada havia sido permitida.

Crivella negou que tivesse solicitado a proibição e lamentou o episódio. Confiante, o candidato afirmou que foi uma campanha difícil, mas o maior tempo na TV durante o segundo turno fez com que crescesse nas intenções de votos. "Vai dar um resultado surpreendente. Nas pesquisas dos partidos, o resultado é diferente. Eu acho que as pesquisas vão errar de novo. Estou confiante na vitória, vamos vencer essa eleição", disse.

Após a votação, Crivella deixou a zona eleitoral e deve percorrer outras zonas no Rio e na região metropolitana para "agradecer" os eleitores ao longo do dia. O candidato ainda defendeu a construção de uma "nova política", para então atacar os problemas da saúde e da segurança pública. "Como quem vai ter moral para comandar uma tropa se esta sempre envolvido em escândalos", afirmou.