Apontado como uma ferramenta para dar maior transparência ao processo eleitoral, o recadastramento biométrico ainda “engatinha” no Brasil. A meta do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) é que todos os municípios instalem os equipamentos até 2020. Isto significa dizer que os tribunais regionais do país terão de intensificar as atividades para alcançar o objetivo.
 
Em Minas Gerais, o número não chegou a 3% do eleitorado. No estado, 26 cidades iniciaram o recadastramento. Destas, cinco começaram em 2013. A maior delas é Divinópolis, 11º colégio eleitoral, com 158 mil eleitores. Senador Firmino, Brás Pires, Dores do Turvo e Tapira completam a lista.
 

Total
 
No total serão 178 mil novas inscrições nesta terceira etapa, que somadas aos locais que já estão cadastrados, totalizam 450 mil pessoas.
 
Se for levado em consideração o eleitorado registrado nas eleições de 2012, de 15 milhões de títulos, o número representa cerca de 3% das pessoas aptas a votar em Minas Gerais.
 

Abaixo do esperado
 
O diretor da Secretaria de Tecnologia da Informação do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), Maurício Melo, reconhece que o número está abaixo do esperado. A falta de estrutura dos locais e de recursos para implantação do sistema são os principais motivos que dificultam o trabalho. “São muitas cidades e é preciso instalar kits biométricos definitivos. Não há sistema misto em Minas”, justificou.
 
Melo acredita que após as eleições de 2014 o serviço deverá ser ampliado. “Já iniciamos os estudos para abranger o maior número possível de cidades”.
 

Comparação
 
Na comparação com os demais estados brasileiros, Minas está na sétima colocação geral analisando o número de pessoas já recadastradas.
 
O levantamento foi feito com base nos índices registrados na eleição do ano passado, quando 7,7 milhões de pessoas tinham feito o novo registro. No Brasil, cerca de 138 milhões de pessoas têm direto a voto. O sistema biométrico começou a ser implantado em 2008.
 
Alagoas é o Estado que mais avançou neste quesito, com 1,8 milhão de pessoas. Na sequência aparecem Sergipe (1,3 milhão) e Paraná (1,1 milhão). Também estão na frente Goiás, Pernambuco e Roraima, respectivamente.
 
Quando o assunto é o número de cidades que terão o novo sistema até 2014, Minas aparece na oitava posição. O Rio Grande do Sul está na ponta da lista, com 51 municípios.

Leia mais na Edição Digital do Hoje em Dia.