SÃO PAULO - O Arquivo Público de São Paulo vai divulgar na internet parte do acervo produzido pelo Departamento de Ordem Política e Social (Dops), órgão que funcionou de 1924 a 1983 e que foi criado para controlar movimentos políticos contrários aos governos federais do período. Serão divulgados 274.105 fichas e 12.874 prontuários.

Segundo o governo estadual, a intenção é criar uma fonte de pesquisas sobre a história do país. O acervo pode ser pesquisado no site do Arquivo Público.

A publicação do acervo será marcada por cerimônia na próxima segunda-feira (1ª), que acontecerá no Memorial da Resistência de São Paulo, museu criado no prédio que sediou o Dops.

A abertura do evento terá a presença do governador Geraldo Alckmin e do deputado Adriano Diogo (PT), que faz parte da Comissão da Verdade da Assembleia Legislativa.

Após o ato, haverá uma audiência da Comissão Nacional da Verdade. O lançamento faz parte da Semana Nacional de Memória e Direitos Humanos, que ocorrerá até o dia 6 em diversos lugares do país.

Parte desses documentos do Dops já está sendo usada pela Comissão da Verdade paulista para apurar o envolvimento de pessoas e entidades em torturas e mortes cometidas dentro do órgão.
Seis livros encontrados registram o movimento de entrada e saída do prédio do Dops entre os anos de 1971 e 1972.