Brasil, Argentina e Uruguai facilitam acesso a documentos de ditaduras

Patrícia Campos Mello - Folhapress
29/01/2014 às 20:07.
Atualizado em 20/11/2021 às 15:40

HAVANA - O Brasil assinou nesta quarta-feira (29) dois acordos bilaterais, com a Argentina e o Uruguai, para facilitar o acesso a documentação da época das ditaduras militares no Cone Sul.    O acordo para intercâmbio de documentação para o esclarecimento de graves violações aos direitos humanos foi assinado pelo chanceler Luiz Alberto Figueiredo às margens da cúpula da Comunidade dos Estados Latinoamericanos e Caribenhos (Celac), em Havana e deve ajudar nos trabalhos da Comissão Nacional da Verdade.    No caso do Brasil, a ditadura se estendeu de 1964 a 1985. Durante esse período a Argentina ficou sob domínio militar de 1966 a 1973 e de 1976 a 1983. O Uruguai viveu uma ditadura de 1973 até 1985.    Em meados dos anos 70, militares dos três países criaram a Operação Condor - aliança para combater opositores no Cone Sul. Participavam também da operação as ditaduras do Chile (1973-1990) e Paraguai (1954-1989).    "A ideia é facilitar os trabalhos de recuperação da memória", disse Figueiredo. Segundo levantamento da historiadora Stella Calloni, há sete casos de argentinos desaparecidos no Brasil. Oposicionistas uruguaios também não estavam imunes. Dois deles, Universindo Díaz e Lilian Celiberti, foram sequestrados em 1978 no Rio Grande do Sul.

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por