BRASÍLIA – Os deputados que integram a Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional da Câmara querem levantar mais detalhes sobre a informação de que um servidor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) colaborava com agências de inteligência dos Estados Unidos. Para tanto, devem ser ouvidos o diretor-geral da Abin, Wilson Roberto Trezza, e o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI), general José Elito Siqueira.

Eles receberão, nos próximos dias, convite para prestar esclarecimentos sobre as denúncias da espionagem norte-americana a autoridades e empresas brasileiras. Para o deputado Nelson Pellegrino (PT-BA), um dos autores dos requerimentos aprovados pelo colegiado, disse que os dirigentes das duas instituições ignoraram as evidências do repasse de informações internamente.

“A ausência de apuração e responsabilização de comportamentos desleais ao Estado não é uma opção aceitável”, frisou o deputado. O funcionário da agência foi aposentado por opção da direção da Abin. A audiência pública deve ocorrer no próximo dia 20 de novembro e reunirá, também, parlamentares que integram a Comissão Mista de Controle das Atividades de Inteligência.