A Comissão de Ética da Presidência da República enviou à Comissão de Ética do Ministério da Justiça um pedido de investigação protocolado por deputados do PT contra os delegados da Polícia Federal Maurício Moscardi Grillo e Igor Romário de Paula, ambos da Operação "Lava Jato".

Há quase um mês, o líder da bancada petista na Câmara, Carlos Zarattini (SP), e os deputados Wadih Damous (PT-RJ) e Paulo Pimenta (PT-RS) pediram a abertura de processo a fim de averiguar a conduta ética dos delegados em relação a uma possível prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Em entrevista à revista Veja, Grillo disse que os investigadores perderam o "timing" para prender o presidente de honra do PT. Já Paula teria dito, em entrevista a um portal de notícias, que a prisão de Lula poderia ocorrer futuramente. Os petistas sugeriram também que o ex-ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, fosse punido por omissão diante do comportamento dos delegados.

A Comissão de Ética da Presidência alega que não tem competência para apurar suposta infração ética de delegados da PF. A comissão destaca que se for constatada transgressão ética na órbita ministerial, o colegiado deverá ser comunicado para avaliar eventual representação contra Moraes.

Leia mais:
TSE ouve delatores da 'Lava Jato' em ação contra a chapa Dilma-Temer
Juiz nega pedido de Lula de depor por videoconferência
Uribe diz que pagamentos da Odebrecht às Farc tiram legitimidade de acordo