Comissão do impeachment barra novamente inclusão de áudios de Machado no processo

Estadão Conteúdo
20/06/2016 às 16:15.
Atualizado em 16/11/2021 às 03:58
 (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

(Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O relator da Comissão Especial do Impeachment, senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), indeferiu novamente o pedido da defesa da presidente afastada Dilma Rousseff de incluir a delação do ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, nesta segunda-feira, 20.

A posição de Anastasia foi acompanhada pela maioria do colegiado, que barrou o aditamento dos áudios envolvendo caciques do PMDB. O novo pedido do ex-advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, foi feito após a quebra de sigilo do acordo. A defesa de Dilma alega ser fundamental a inclusão da delação de Machado para provar a tese de desvio de finalidade no processo.

Desde a semana passada, Cardozo já adiantava que recorreria ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, caso o pedido fosse negado pelos senadores. O advogado ainda não se manifestou após a decisão dos parlamentares.

Leia mais:
'Um grave atentado contra o Estado', diz Janot sobre pacto Jucá-Renan-Sarney
Comissão do impeachment encerra mais uma fase de depoimentos em defesa de Dilma
'Todo dia nos perguntamos: quem vai cair hoje?', diz Dilma

Na primeira solicitação, Lewandowski negou a inclusão das gravações para preservar o sigilo do processo, mas não entrou no mérito da questão processual. Antes da votação do recurso de Cardozo, houve uma discussão entre os parlamentares. Na oposição, petistas tentaram reafirmar a tese da defesa. Lindbergh Farias (RJ) defendeu que áudios fazem parte da principal tese da defesa, alegando que houve um acordão para tirar Dilma do poder.

Segundo ele, o desvio de finalidade no processo começou com o presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha, mas continuou no Senado com o senador Romero Jucá (PMDB-RR), "o grande articulador" do impeachment de Dilma. Entre os governistas, havia o entendimento de que o assunto já havia sido definido anteriormente.

José Medeiros (PSD-MT), defendeu que trazer os áudios não traria "nenhuma elucidação" para o processo. "Uns indignados com (o juiz Sérgio) Moro, outros com (o procurador-geral República) Rodrigo Janot, outros com policiais, que não diferem em grau nenhum com o de Machado", alegou. "Tem 'n' gravações públicas, vamos pegar todas feitas no âmbito da Lava Jato? Acho que não será producente", declarou.

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por