Nove dias após serem presos na Operação Quinto do Ouro, da Polícia Federal, cinco conselheiros do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ) deixaram o presídio em Bangu, na zona oeste do Rio, no início da noite desta sexta-feira, 7. A informação foi prestada pela Secretaria Estadual de Administração Penitenciária.

A libertação de Aloysio Neves, Domingos Brazão, José Gomes Graciosa, Marco Antônio Alencar e José Maurício Nolasco foi determinada pelo ministro Felix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Eles cumpriam prisão temporária. Na mesma decisão, Fischer determinou o afastamento deles do cargo no TCE-RJ pelo período de 180 dias. O magistrado ordenou ainda que o conselheiro Jonas Lopes, delator do esquema de corrupção investigado pela Operação Quinto do Ouro, também fique afastado do cargo por igual período. Ele não está preso - após alegar ter recebido ameaças, foi autorizado pela Justiça a deixar o Brasil e permanecer em lugar não divulgado.

Leia mais:
STJ revoga prisões, mas afasta conselheiros do TCE-RJ por 180 dias
Cabral nunca fez cobrança indevida de obras, diz Pezão
STJ prorroga prisão temporária de conselheiros do TCE do Rio