O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmou nesta quarta-feira (4) não ver dificuldades para que deputados com pedido de investigação no STF (Supremo Tribunal Federal) por suspeita de envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras façam parte do Conselho de Ética da Casa.

O órgão disciplinar é responsável pela avaliação de eventuais pedidos de cassação que sejam feitos por deputados envolvidos no caso.

Cunha afirmou que eventualmente esse parlamentar não poderá ser relator de processos.

"Eu acho que todos que estão no exercício do mandato nesta Casa são legítimos para exercer qualquer função. Ninguém pode ser considerado sob suspeição. É claro que não vai ser relator sobre esse assunto", afirmou o presidente da Câmara.

Para mim, não vejo nenhuma dificuldade [em um citado compor o conselho]. Quem está aqui é igual a todo mundo. Até estar aqui e ser retirado ou ter sofrido algum tipo de processo com sua pena, ele é igual a todos", disse.

Os integrantes do conselho precisam ser escolhidos até o fim desta quarta-feira. O comando será definido na próxima semana.