O presidente da Câmara afastado, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) o dobro do prazo de cinco para dez dias para poder apresentar defesa prévia na ação em que é réu na Lava Jato. Para os advogados do parlamentar, o entendimento deve respeitar o princípio da ampla defesa.

Leia mais:

'Não tem renúncia', diz Cunha
Presidente da CCJ tem dificuldade em encontrar relator para recursos de Cunha
Cunha rebate notícia de que faria delação premiada
Cunha tem cinco dias para recorrer de decisão do Conselho de Ética

No documento, os defensores de Cunha sustentam que é "imperioso" adotar o dobro do prazo em todas as fases dos processos em que as partes tiverem diferentes procuradores, de escritórios de advocacia distintos, como já acontece na apresentação da resposta à acusação, conforme diz a lei. O pedido foi feito ao relator, ministro Teori Zavascki.

"Caracterizada a necessidade de aplicação de prazo em dobro para apresentação da resposta à acusação, mais razão há para aplicar o prazo dobrado quando da apresentação da defesa prévia, tendo em vista que os pressupostos fáticos estão mantidos", escrevem os advogados.

A ação penal contra Cunha foi aberta no início do mês, após a Corte rejeitar os recursos da defesa sobre o julgamento que admitiu, por unanimidade, a denúncia contra o parlamentar sobre o recebimento de propina em contratos de navios-sonda da Petrobras. A ex-deputada Solange Almeida (PMDB-RJ), atual prefeita do município fluminense de Rio Bonito, também responde como ré na mesma ação.

O prazo para apresentação da defesa prévia de Cunha abriu nesta segunda-feira (20). A etapa é prevista em alguns procedimentos especiais, como a ação penal, em que a defesa pode apresentar alegações, oferecer documentos e justificativas, especificar provas pretendidas e indicar testemunhas.

Nova denúncia

Nesta quarta-feira (22), o STF deverá julgar o recebimento da segunda denúncia contra Cunha na Lava Jato. Trata-se da investigação sobre a manutenção de contas na Suíças que teriam sido abastecidas com propina desviada da Petrobras.

A acusação contra o peemedebista foi oferecida ao STF pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em março. O parlamentar é acusado da prática dos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. A mulher de Cunha, Cláudia Cruz, também responde como ré no mesmo caso, em ação que tramita na primeira instância, com o juiz Sérgio Moro, em Curitiba.

Cunha também já foi denunciado em um terceiro processo que o investiga por recebimento de recursos das obras do Porto Maravilha, no Rio. Ainda na Lava Jato, o parlamentar é alvo de dois inquéritos já abertos e um pedido de abertura de inquérito que aguarda a análise do ministro Teori.