Um relatório de 289 páginas da Polícia Federal, na Operação Omertà, indica os passos, negócios, parcerias e o suposto envolvimento do ex-ministro Antonio Palocci (Fazenda e Casa Civil/Governos Lula e Dilma) em envolvimento em esquema de propinas. Palocci foi preso na Omertà, 35ª fase da Lava Jato, em 26 de setembro. Investigação da força-tarefa da Lava Jato aponta que, entre 2008 e o final de 2013, foram pagos mais de R$ 128 milhões ao PT e seus agentes, incluindo o ex-ministro.

Antônio Palocci foi ministro da Fazenda entre 1 de janeiro de 2003 a 27 de março de 2006 durante o primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Assumiu o mandato de Deputado Federal em 1 de fevereiro de 2007, licenciando-se, a partir de 1 de janeiro de 2011, para ser ministro Chefe da Casa Civil durante o primeiro mandato da ex-presidente Dilma. Ficou no cargo até 7 de junho de 2011. Palocci foi o ministro mais poderoso do PT ao lado de José Dirceu - preso desde agosto de 2015 e já condenado na Lava Jato.