BRASÍLIA - "Quem está aqui não é o ministro, é alguém que crê em Deus", disse o ministro Alexandre Padilha aos cerca de 60 funcionários da Saúde que, no horário do almoço desta quarta-feira (29), participavam de um culto evangélico no auditório principal do ministério. 
 
O culto foi organizado a pedido do próprio Padilha e teve clima de despedida. O petista deve deixar a pasta na próxima segunda para se dedicar à corrida pelo governo de São Paulo. 
 
O culto durou pouco mais de 30 minutos e constava da agenda oficial do ministro. Os cultos para os funcionários acontecem com certa periodicidade no ministério, mas não contam com a presença do ministro. 
 
Padilha contou duas histórias que comoveram o auditório. Uma delas foi a da grávida que, em estado grave, perdeu o bebê e estava à beira da morte. Após uma corrente de orações, disse o ministro, a equipe do hospital se sentiu mais empenhada e com fé, e a moça se salvou. 
 
Um ano e meio depois, recuperada, ficou grávida de novo e colocou no filho o nome de Alexandre. "O senhor é o primeiro ministro que pede um culto de Ação de Graças na sua saída", disse o pastor que comandou o culto. O religioso pediu mãos estendidas e bênçãos ao ministro. 
 
Em nenhum momento houve referência à candidatura de Padilha, mas a uma "nova empreitada" e a mudanças. "Se uma porta se fecha aqui, outras portas se abrem ali", entoaram os presentes. 
 
Ao encerrar sua fala, o ministro disse que sentia que colheria vitórias pessoais, com amigos e familiares, "independentemente de as pessoas acharem que venci ou não". "Saio daqui mais forte para tudo o que a gente tiver que fazer." "Amém", respondeu o auditório.