O advogado Edson Ribeiro disse em seu depoimento de mais de três horas de duração, na Superintendência da Polícia Federal (PF) no Rio de Janeiro, na manhã desta sexta-feira (27), que houve uma interpretação equivocada da estratégia de defesa que traçou para seu cliente, o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró.

A informação foi dada nesta tarde, na porta da sede da PF, pelo defensor de Ribeiro, Carlo Luchione, que disse já ter pedido à Justiça a libertação do cliente. Luchione também declarou que Ribeiro alegou "inocência veementemente". Negou também que o cliente tenha traído a confiança de Cerveró, uma das supostas razões que teria levado o ator Bernardo Cerveró, filho do ex-diretor da petroleira, a entregar ao Supremo Tribunal Federal (STF) a gravação de conversa reservada mantida com Ribeiro e com o senador Delcídio Amaral, preso na quarta-feira (25).