Privado de dar detalhes sobre o processo de corrupção na Petrobras, o ex-vice-presidente da Camargo Corrêa Eduardo Hermelino Leite sinalizou aos deputados da CPI da Petrobras que forneceu à Justiça Federal informações sobre envolvimento de funcionários do baixo escalão da estatal no esquema de corrupção. Leite disse que entregou ao Ministério Público documentos comprovando a participação dos funcionários.

Leite reafirmou o envolvimento de nomes já conhecidos, como os ex-diretores Paulo Roberto Costa e Renato Duque, além do ex-gerente Pedro Barusco. Ele mencionou também a participação de empresas de consultoria no esquema, as quais não pode revelar os nomes.

O executivo contou que entregou uma planilha ao MP indicando as obras e os recursos repassados aos operadores. Quando havia atrasos nos pagamentos, Alberto Youssef e Júlio Camargo costumavam cobrar os valores não pagos. "Éramos cobrados pelos operadores e por quem poderia influenciar (no contato com a Petrobras)", declarou.

Leite contou que prestou mais de 50 horas de depoimento aos investigadores da Operação "Lava Jato". "Hoje vejo com admiração o trabalho da Policia Federal e do Ministério Público", elogiou.

Entre os erros da Petrobras no processo, o executivo apontou a pressa na execução das obras e projetos básicos falhos como pontos que prejudicaram a estatal. Para ele, o escândalo pode ajudar a mudar os procedimentos da companhia. "Esse é um momento de reinvenção para que possamos ter um processo melhorado", avaliou.