O deputado federal Alessandro Molon (Rede-RJ) afirmou nesta quinta-feira, 31, ver a possibilidade de que os parlamentares não consigam nenhuma mudança eleitoral a tempo para o pleito de 2018. Segundo o deputado, integrante da comissão da reforma política na Câmara, o problema é que vários grupos que condicionam a votação em itens mais consensuais, como a questão da coligação proporcional e a cláusula de barreira, a temas mais polêmicos como o financiamento de campanha e o sistema de votação.

"Esse jogo de interesses múltiplos com atores diferenciados pode produzir um resultado igual a zero", alertou. Ontem, o líder do governo na Câmara, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) admitiu que a falta de acordo pode inviabilizar a aprovação da reforma política. Apesar da previsão de votar a proposta relatada pela deputada Shéridan (PSDB-RR), que prevê o fim das coligações e institui cláusula de barreira aos partidos, a discussão foi adiada para a próxima semana ou mesmo a seguinte, por causa do feriado de 7 de setembro.

O deputado acredita que o tema com menores chances de ser aprovado é alguma mudança no sistema eleitoral. "Nenhum deles consegue receber maioria constitucional, nem o distritão nem o distritão misto", ponderou. "Então a tendência é que se mantenha o atual com proibição de coligações e cláusula de desempenho, o que já seria avanço, embora muito modesto."

Leia mais:
Maia diz que parlamentarismo ainda não está em discussão, mas defende plebiscito
Presidente interino da Câmara quer votar reforma política na próxima semana
PMDB mineiro vive novo racha tendo como motivação prestígio do PSDB com Temer