O jornal britânico "Financial Times" dedicou um editorial para a situação do Brasil. Classificando a economia como uma "bagunça" e as finanças públicas "em desordem", o texto começa com um quadro pouco animador.

"Se o Brasil fosse um paciente em um hospital, os médicos da emergência o diagnosticariam como em estado terminal", afirma o jornal.

Para o "FT", somando-se à situação interna fatores como a economia chinesa em desaceleração e os juros em alta nos EUA, o Brasil está sofrendo "o começo de um estresse econômico extremo".

A publicação também criticou o quadro político do país ao citar a impopularidade da presidente Dilma Rousseff e um sistema político "notadamente podre". "Isso faz com que seja praticamente impossível para ela [Dilma] responder adequadamente à crise econômica. Especialmente quando o Congresso está mais focado em salvar a própria pele", diz o jornal.

Apesar disso, o editorial do "FT" afirma que a saída de Dilma teria um "político medíocre substituído por outro" -a linha sucessória conta com o vice, Michel Temer, e os presidentes da Câmara, Eduardo Cunha, e do Senado, Renan Calheiros.