ASSUNÇÃO – O novo presidente do Paraguai, Federico Franco, disse neste sábado (23) que o governo honrará todas as responsabilidades em relação à empresa Itaipu Binacional, inclusive pagando as dívidas, assegurando, assim, o abastecimento no país e as boas relações com o Brasil. Segundo ele, essa é uma das suas prioridades. Nos próximos dias, Franco pretende anunciar o nome do novo dirigente paraguaio da empresa.

“Vamos assumir as dívidas, cumprir todas as responsabilidades, e fortalecer as relações com todos os nossos vizinhos latino-americanos”, disse, na segunda entrevista coletiva depois de tomar posse ontem (22) à noite. Na entrevista, o presidente se concentrou em temas relacionados ao Brasil. “[Honrar os compromissos] é a amostra mais sincera de nossa amizade.”

As questões financeiras envolvendo a Usina de Itaipu dividem o Brasil e o Paraguai. Os paraguaios exigem reajustes das tarifas pagas pelos brasileiros e dizem que há uma “dívida ilegítima” a ser paga. Os brasileiros cobram a dívida paraguaia.

Em janeiro deste ano, a delegação paraguaia no Parlamento do Mercosul (Parlasul) advertiu sobre um suposto "agravo financeiro" em Itaipu que prejudicava o país. A delegação paraguaia mencionou uma "dívida ilegítima", pois há alguns anos, a pedido do Brasil, a tarifa da energia não aumentou, como estabelece o Tratado de Itaipu (firmado pelos dois países em 1973), para que os custos de operação da hidrelétrica sejam cobertos.

O Paraguai e o Brasil são sócios-proprietários de Itaipu, a segunda maior hidrelétrica do mundo, construída no Rio Paraná, que estabelece a fronteira entre os dois países. O Brasil consome a maior parte da energia gerada, o que reforça os argumentos paraguaios sobre a cobrança de dívidas.

Há três meses, o diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional, Jorge Miguel Samek, disse que não trabalhava com a hipótese de o governo brasileiro recusar a proposta do Paraguai de reajuste do valor que a Eletrobras e a empresa paraguaia Administração Nacional de Eletricidade (Ande) pagam pela energia fornecida pela usina hidrelétrica binacional.

Segundo Samek, o valor da tarifa não é reajustada há três anos, graças, em parte, à valorização do real e do guarani, a moeda paraguaia, em relação ao dólar. Em fevereiro, o Paraguai apresentou ao governo brasileiro uma proposta de elevar, de US$ 22,60 para US$ 24,30 quilowatt/mês, o valor pago pela Eletrobras e pela Ande à Itaipu, argumentando que o reajuste não necessariamente acarretaria reflexos sobre os preços cobrados ao consumidor final.

O percentual de aumento foi aprovado pelo Centro de Custo de Itaipu e apresentado ao Conselho de Administração da empresa, em outubro de 2011. Samek lembrou que o valor da tarifa é estabelecido levando em conta os componentes previstos no Tratado de Itaipu.