O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), anunciou nesta quinta-feira (17), a pretensão de unir secretarias de Estado de Turismo e Cultura. A mudança, de acordo com o chefe do executivo estadual, veio através do entendimento das pastas como correlatas. “Nosso Estado tem uma rica tradição histórica e cultural. São atividades que já tem uma interface naturalmente”, justificou Zema.

Inicialmente, a previsão era de que a Cultura fosse integrada à Secretaria de Educação e que o Turismo entrasse na estrutura do Desenvolvimento Econômico.

Apesar da definição do governo, a efetivação da ideia precisa, ainda, ser avaliada pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), que pode aprovar ou não as propostas de reforma administrativa, ainda a serem enviadas. 

De acordo com Zema, ainda não há definição sobre o nome que vai chefiar a pasta e o processo de seleção seguirá a forma de recrutamento por empresa de recursos humanos, assim como foram feitas para as outras secretarias. Por enquanto, o vice-governador, Paulo Brant, responde pelas pastas da Cultura e do Turismo, de forma ainda separada na estrutura. Brant havia sido nomeado no dia 1º deste mês para chefiar a Secretaria de Cultura, decisão que surpreendeu quem esperava que a pasta fosse incorporada a outra.

Zema ainda afirmou que a decisão foi tomada após ouvir os setores e discutir medidas mais viáveis. "Chegamos à conclusão que será mais viável até economicamente termos essa junção de duas vocações do nosso Estado: turismo e cultura. São áreas que vamos fomentar em conjunto para gerarem ainda mais empregos e renda”, conclui Zema.