Único irmão vivo da presidente Dilma Rousseff (PT), o advogado Igor Rousseff vive na cidade mineira de Passa Tempo há pelo menos 18 anos, segundo os próprios moradores da cidade. “Ele morava em um trailer daqueles de viagem, depois construiu a casa que está lá no terreno hoje, mas sempre morou aqui. Anda por aqui de bicicleta, o tempo todo, é muito gente boa e não tenho nada contra ele, pelo contrário”, diz o aposentado Geraldo Amorim Andrade. Outro morador, um sitiante que preferiu não se identificar, confirma o que disse o sr. Geraldo. “O Igor sempre morou aqui e depois que a primeira mulher dele morreu, vive com uma moça daqui da cidade”, disse, fazendo referência a Valquíria, segunda mulher de Igor Rousseff. “Hoje ele nem trabalha, passa o dia andando de bicicleta. A cidade é tranquila”, disse o morador. Outros moradores de Passa Tempo ouvidos pela reportagem confirmaram que Igor construiu a casa onde mora hoje.
 
O advogado de 67 anos saiu do anonimato depois que o senador Aécio Neves (PSDB) o acusou de ter sido funcionário fantasma da Prefeitura da capital mineira. Segundo Aécio, Igor teria sido nomeado assessor especial do então prefeito Fernando Pimentel em 2003 e permanecido como funcionário da prefeitura até a posse de Marcio Lacerda, no início de 2009, sem no entanto ter dado expediente regular onde era lotado. “Não sei se ele não trabalhava em Belo Horizonte, mas o que posso dizer é que ele sempre morou aqui, desde muito tempo e não viajava com frequência para a capital”, afirmou à reportagem um vereador da cidade, que também pediu anonimato. “Gosto dele, não quero me indispor por falar a verdade”, concluiu. Passa Tempo tem pouco mais de 8 mil habitantes e fica 143 quilômetros distante de Belo Horizonte.
 
NOTA DA PREFEITURA
 
Pimentel negou a acusação e disse, por meio de nota, que Igor era frequente na função que tinha em seu gabinete. No entanto, a nota não esclarece se há folhas de ponto ou outro documento que comprovem que ele dava expediente na prefeitura, como atas de reuniões, relatórios assinados por ele ou participações em comissões. 
 
Antes de 2003, Igor foi Secretário de Cultura em Ouro Preto, na gestão de Marisa Xavier Sans, do PDT. A prefeita foi afastada pela Câmara de Vereadores da cidade na mesma época, acusada de improbidade administrativa relacionada justamente ao patrimônio cultural da cidade. Alem disso, depois de passar pela Prefeitura de Belo Horizonte, Igor Rousseff teria também trabalhado para a Prefeitura de Juiz de Fora.
 
FAMÍLIA
 
O filho de Igor, o médico cardiologista Pedro Rousseff, conta uma história diferente. Segundo ele, há 25 anos o pai conheceu a cidade e teria gostado tanto que comprou um terreno. Conforme relatos de Pedro, eles passavam os finais de semana na cidade alojados em um trailer para viagem. De acordo com o filho, o local é residência fixa há menos tempo. 
 
Pedro diz ainda que o pai trabalhou na Prefeitura quando a irmã Dilma ainda não era presidente.
 
Igor foi nomeado pelo então prefeito Fernando Pimentel (PT) para o cargo de assessor especial em setembro de 2003. Ficou no posto até dezembro do ano seguinte. Depois, retornou à administração, em março de 2005, permanecendo até dezembro de 2008. Foi exonerado quando Marcio Lacerda (PSB) ganhou a eleição para o Executivo municipal. 
 
Pedro contou que o pai não deu atenção maior à denúncia feita por Aécio. “Ele está tranquilo. Se fosse político teria dito: ah, vou processar. Ele não. Sabe que não é isso”, afirmou. Conforme afirmou Pedro, Igor é formado em direito, jornalismo e hotelaria.
 
 
Igor Rousseff
TRANQUILO - Foto de viagem: histórico de serviços prestados a três prefeituras de cidades mineiras. Foto: Reprodução/Facebook
 
 
Igor não faz política na cidade e é conhecido pela discrição
 
Igor é descrito pelos moradores de Passa Tempo como uma pessoa discreta. Na cidade, é comum verem adesivos do senador Aécio Neves. A única referência que se faz a Dilma, ao longo das vias principais de Passa Tempo, é um pequeno adesivo afixado na caixa de correio de Igor. Ele tem na garagem um fusca e uma bicicleta. 
 
“Ele anda pra cima e pra baixo de bicicleta. Nem fala que é irmão da presidente. Nunca pediu um voto pra gente (sic)”, contou uma moradora. 
 
Como a cidade é pequena, cerca de oito mil habitantes sendo quase metade residente na zona rural, os moradores ficaram constrangidos em se identificar.
 
Não damos trabalho para a presidente’
 
O irmão de Dilma não estava em Passa Tempo ontem. Viajou em férias para o Rio de Janeiro com a segunda esposa, Valquíria. Ele tem 67 anos, nasceu em janeiro de 1947 e Dilma em dezembro do mesmo ano. Pedro, filho de Igor, explicou que o outro sobrinho de Dilma é procurador da República, bem como a filha dela, Paula. “Somos familiares que não dão trabalho algum para a presidente”, afirmou.
 
 
Atualizada às 18h28