O tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, esquivou-se de dizer nesta quinta-feira, 09, à CPI da Petrobras se é favorável à realização de uma acareação entre ele e o ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco, um dos principais delatores da Operação Lava Jato que o acusaram de envolvimento no esquema de corrupção da Petrobras. "Sobre a acareação, eu não tenho o que dizer, porque não depende da minha vontade", disse.

Diante da insistência do deputado Bruno Covas (PSDB-SP), o petista virou-se para seu advogado, Luiz Flávio D 'Urso, para consultá-lo. O gesto foi repreendido por deputados presentes à sala da reunião. Vaccari, então, limitou-se a responder: "Nas inúmeras declarações minhas que dei nesse processo, eu sempre me coloquei à disposição", afirmou.

O tesoureiro negou ter feito qualquer depósito à sua cunhada, Marice de Lima, ou a familiares. As investigações da Lava Jato apontaram que Marice teria recebido R$ 100 mil do esquema operado pelo doleiro Alberto Youssef. Vaccari fez questão de dizer que mantém "com a senhora Marice uma relação estritamente familiar". E completou: "A relação que tenho com a minha cunhada é estritamente familiar e reafirmo que os termos da declaração de Alberto Youssef não são verdadeiros."

Questionado se toparia fazer uma acareação com Alberto Youssef, o petista esquivou-se de responder diretamente. "Desde o início desse processo, sempre estive à disposição das autoridades competentes", afirmou.

O tesoureiro do PT afirmou ainda que, "até o dia de hoje", tem o apoio do Diretório Nacional do partido para continuar à frente da tesouraria da legenda. "Até o dia de hoje, a avaliação que eu tenho é que tenho apoio do Diretório Nacional para continuar na Secretaria de Finanças. Agora, esse é um debate que tem que ser feito no diretório nacional", afirmou.

Pouco antes, questionado pelo deputado Altineu Côrtes (PR-RJ) sobre declarações de petistas que o querem foram do cargo por causa das denúncias de envolvimento na Operação Lava Jato, o tesoureiro afirmou que a decisão de uma eventual saída sua do cargo não cabe a ele. "A decisão de estar na Secretaria de Finanças não pertence a mim, pertence ao Diretório Nacional do partido. Essa decisão, se for pautada, será discutida e tomada", disse.

Vaccari afirmou também que a SBM Offshore, empresa holandesa fornecedora de plataformas para a estatal e investigada no escândalo, nunca fez qualquer doação ao partido. Em seu depoimento, disse que, pela legislação, a Petrobras não pode doar para partidos políticos, mas as empreiteiras podem.

O tesoureiro afirmou ainda que o PT nunca recebeu qualquer doação da Sete Brasil, empresa que contrata a construção de sondas para a Petrobras. "Não existe", disse. Ele disse ainda que desconhece as doações anteriores a 2010, ano em que assumiu a tesouraria do partido.

O deputado André Moura (PSC-SE) rebateu os dados de recebimento de recursos ao PT e, indiretamente, criticou a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de conceder um habeas corpus em favor dele. Para o parlamentar, o tesoureiro recebeu o "indulto do pinóquio" para mentir à CPI.

Na noite desta quarta-feira, 08, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, concedeu habeas corpus para garantir a Vaccari direito a permanecer calado, não se incriminar, ser assistido por um advogado e não ser preso.